Supernatural, sexta temporada: O que funcionou e o que deu errado?

Por Rafael Sanchez

Supernatural ainda é uma das séries de maior sucesso no mundo. Mas a sexta temporada da série dividiu muito os fãs.

Para muitos a história de Sam e Dean Winchester (Jared Padalecki e Jensen Ackles) deveria ter terminado na 5ª temporada, pois o criador da série, Eric Kripke, deixou de ser o manda-chuva, com a cadeira ficando para a produtora executiva Sera Gamble.

Se você acompanha a série e já assistiu à mais recente temporada completa, sinta-se à vontade pra concordar ou não com as minhas opiniões, e se ainda não viu, então pare por aqui, spoilers na sequência.

Continuar lendo

Anúncios

“Geração perdida”…

… foi o adjetivo usado para definir jovens americanos do início do século XX que serviram na Primeira Guerra Mundial. Cunhado pelo mecânico da poetisa Gertrude Stein e difundido pelo escritor Ernest Hemingway – que integrava a geração perdida – , o termo traduz  a falta de perspectiva daqueles que foram expatriados depois da guerra e passaram a viver errantes pela Europa.

Continuar lendo

Tutorial da História do Rock

Paulo Araujo

Este post é uma tentativa de tutorial que vislumbra explicar para a chamada geração y os passos gloriosos que o Rock n’ Roll atravessou até chegar aos anos atuais com uma degradação do estilo. Podcast feito de madrugada com café, conhaque e sono.

De Administração a Zootecnia

Por Ana Carolina Contato

O momento de escolher um curso de graduação é, normalmente, marcado por dúvidas, afinal, a decisão de hoje implicará no sucesso da carreira profissional ou em decepção posterior.

É por isso que a reportagem dessa edição do Y-TUDO traz um panorama dos cursos de graduação oferecidos pela UEL, além de dicas sobre o mercado de trabalho. Continuar lendo

Guia cultural

Como contou a companheira Daniela Brisola, o consumismo é uma das características da sua geração. Vale tudo: bares, baladas, lojas de roupas ou mesmo aquele point 24 horas que cobra 5 paus na coxinha para satisfazer a fome da madrugada. Que tal um guia com os locais onde você pode socializar com seus iguais? Aqui vai:

 

Valentino (http://www.barvalentino.com.br/)

 Seguranças do Valeco guardando a área de fumantes do recinto.

 

Esse bar, que antigamente era um boteco “roots”, se transformou num ambiente de concentração de jovens que gostam de pagar caro na bebida e dançar madona até dar bolha no pé. Além dos shows e festas bem democráticas e coloridas, a recomendação é a macarronada, que quando consumida antes da bebedeira, pode significar a diferença entre uma noite de curtição e uma sessão de vômitos no fétido e pequeno banheiro do local (pelo menos o dos homens). O y-tudo não recomenda o Valentino para os fumantes inveterados. Tabaco só é permitido do lado de fora do bar, em uma área carinhosamente apelidada de Auschwitz, que tem o chão daquelas pedrinhas pretas e uma cerca alta de arame farpado. E o pior: tem dias em que o segurança encana e não deixa os viciados entrarem com o copo do fumódromo. Mas nós somos da geração saúde e não temos esse vício nojento, certo?

 

Vitrola (http://www.vitrolabar.com.br/)

Após algumas seringadas de tequila, bacharéis e doutores comemoram o sucesso da última edição da Quarta Mexicana.

 

Menos tradicional, mas com o mesmo estilo do Valeco, o Vitrola tem conquistado as multidões. Lá acontecem apresentações das mais diversas bandas cover da cidade. A dica é ficar esperto para os dias em que tem double de alguma bebida e chegar mais cedo para pegar a promoção. Não que nós não tenhamos dinheiro suficiente, mas economizar na bebida é sempre bom porque dá pra beber mais. Outra característica do recinto é o andar de cima, que é aberto quando tem algum show que lota a casa. Se você for homem e estiver no andar de baixo, sinta-se livre para flagrar algumas calcinhas por baixo das saias das meninas que estão lá em cima. Se você for mulher e estiver no andar de cima, cuidado: pode ter algum tarado de olho nas suas partes íntimas. Outra recomendação são as Quarta Mexicanas, organizadas por alunos do 4º ano de jornalismo da UEL. Lá os futuros jornalistas se juntam para trocar saliva, dar seringadas de tequila e sair do armário.

 

Santarena (http://www.santarenalondrina.com.br/)

O Santarena serve de palco para as mais variadas duplas sertanejas.

 

Para os amantes da música sertaneja a opção é o Santarena. Os palcos do nobre recinto acolhem as mais diversas duplas sertanejas, que infestam a cidade com panfletos de divulgação e CDs de amostra grátis. Tudo para atrair a multidão que faz uma fila quilométrica na entrada. Uma das conseqüências da aglomeração e da alta quantidade de bebida alcoólica são as brigas. Não é incomum que, ao passar na frente do local, você presencie porrada entre desconhecidos, ex-amigos, namorados e namoradas e até entre pais e filhos. Mas tudo vale a pena quando a alma não é pequena.

 

Pátio San Miguel

A mesma garota antes de sair pra balada e, depois da festa, comendo uma coxinha no Pátio.

Depois que a balada terminou, você já está calibrado de álcool e precisa satisfazer a fome. A recomendação é o Pátio, que oferece salgados, comida congelada, refrigerante e outros petiscos. Os preços são, é claro, um pouco elevados, mas se você está bêbado não vai nem ligar pagar cinco paus na coxinha (o arrependimento vem no dia seguinte). Como em todo fim de balada é comum encontrar jovens com o carros dos papais estacionados do lado de fora e meninas parecendo o Coringa com a maquiagem toda borrada. Mas o essencial é combater a fome e isso o Pátio faz bem.

 

Espero que tenha sido útil. Tchau!

Modificar o corpo em busca do singular

 

 Por Fernanda Cavassana

Engana-se muito quem vê jovens tatuados e pensa: “fazem isso só porque é modinha”.

Diferente dessa posição, a tatuagem pode deixar de ser algo justamente para expor um ponto forte da personalidade de cada um e tornar-se uma característica dessa pessoa. As tatuagens podem contar histórias e significar aquilo que mais marca a pessoa, tanto na superfície da pele, quanto em seus pensamentos e sentimentos.

De acordo com o psicólogo Márcio Neman, não existe um fator único para justificar o que leva as pessoas a se tatuarem. “Algumas pistas sobre as motivações giram em torno de algumas questões como a estética, atrativo sexual, tentativa de chocar a sociedade ou relacionadas a culto da espiritualidade e a perpetuação de ritos culturais”, explica. Continuar lendo

Melhor que o original

por Desirée Molina

Covers, versões… São vários os artistas que reproduzem a obra alheia. E isso não é só na música, existem versões de pinturas, de fotografias… Mas aqui vamos falar de música. Para mim, cover é quando o artista se preocupa em parecer o original e, versão, quando a intenção realmente é dar outra cara para a música. Essa é a minha concepção. E essa é a minha lista das 5 melhores versões de música:

Continuar lendo