O encontro de duas gerações

Tatiane Hirata

O velho não lhe tirava os olhos. Sentado no banco ao lado, dirigia-lhe um sorriso familiar enquanto a fitava. Era o primeiro ano na faculdade e ela, que nunca pegara um ônibus na vida, atravessava agora a cidade que nem conhecia num circular em cujo itinerário era obrigada a confiar, sobretudo porque não saberia voltar se saltasse dele. “Será que eu tô cagada? Ou será que tá escrito na minha cara que eu to perdida? Talvez seja só porque ele é velho, afinal. As pessoas do tempo dele devem achar normal ficar encarando os outros até fazê-los se sentirem desconfortáveis”.

Continuar lendo

Anúncios

Samba aos desajustados

Tatiane Hirata

Disseram que eu deveria escrever para a tal geração Y. Aqueles, que fazem trocentas coisas ao mesmo tempo, passam o dia conectados e não duram mais de três meses no mesmo emprego. Sei, sei. Bom, e que tipo de música lhes interessa? Eles curtem o vídeo do Youtube mais acessado da cidade, basicamente.

Claro, isso é só uma generalização injusta. Mas não se pode negar que colocar os ípisilons pra fazer música, hoje, é estar preparado para se deparar com um arco-íris de qualidade musical duvidosa (quiçá inexistente) e cabelo peculiar.

Eu, no auge de meus rasos 20 anos que me tornam tão Y quanto você, porto as boas novas: existe algo mais. Aos desajustados da geração, que, como eu, também apelam ao acervo musical deixado pela geração X e todas as outras letras anteriores do alfabeto, dedico esse post. A crítica eu já fiz. Vem agora um tributo. Quem gosta de samba pode continuar lendo.


Continuar lendo

Arte Indelével

Galeria

Esta galeria contém 12 imagens.

Felipe Barros e Tatiane Hirata A transformação das gerações acompanha a constante reformulação e reinvenção dos valores artísticos. Você pode condenar o oportunismo de Duchamp ao recolher algumas tranqueiras que estavam prestes a ir pro lixo e ainda ganhar o … Continuar lendo

Instagram, mais uma rede social

Por Paulo Araujo e Tatiane Hirata

Você tira seu iPhone do bolso, faz uma foto meia-boca com a câmera que não é lá essas coisas, passa por um filtro e pronto: sua foto até parece profissional e um maluco em Tel-aviv pode, instantaneamente, curti-la e comentar. Este é o Instagram. Assista à reportagem e entenda melhor como funciona essa nova “maravilha high tech”.