Movimentos na era das redes sociais

Por Felipe Barros

23 de junho de 1968. Revoltados com o regime militar – imposto em abril de 1964 – estudantes se reúnem no bairro da Cinelândia, Rio de Janeiro. Acompanhados de perto por mais de dez mil militares, o movimento estudantil liderou a maior passeata registrada na história do Brasil até aquele momento. Artistas, políticos e acadêmicos aderiram à massa, formando um grande bloco de resistência contra a ditadura. Ao fim do protesto, 100 mil pessoas exigiam – em frente à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro – a queda do regime.

O ano de 1992 representou uma quebra de paradigmas hierárquico-sociais. Estes, pétreos e delineadores de uma história que, pelo interesse de poucos, se mantém. Muitos, no entanto, recusam a marcha cíclica dos acontecimentos; caso dos caras-pintadas. Com os rostos em verde e amarelo, jovens em diferentes regiões do país saíam às ruas, exigindo o impeachment do então presidente Fernando Collor de Mello (acusado de enriquecimento ilícito, evasão de divisas e tráfico de influência). A pressão exercida era insustentável; Collor renunciaria em 29 de dezembro de 92.

Recentemente, centenas de pessoas, revoltadas com o aumento abusivo dos combustíveis, dirigiram-se aos postos – em Salvador, Brasília, Londrina, por exemplo – abasteceram seus carros com uma quantia ínfima e usaram seus cartões de crédito. As transações causaram prejuízos aos donos dos estabelecimentos. O movimento foi articulado pelo Facebook e reuniu muito mais revoltados virtuais do que os de “carne e osso”.

A adesão poderia e deveria ser muito maior. A chamada “Geração Y” tem, hoje, mecanismos muito mais eficientes e atrativos para se unir e reivindicar o que é seu por direito. Claro que você que lê, pensa: “comparação tosca, aumento na gasolina com ditadura militar”. E aí se revela o grande problema dos Y’s; somos inertes, e o sujeito oculto me inclui nessa.

Somos ignorantes em relação a tudo que nos circunda e tem consequência direta na maneira como vivemos. Seja política, economia ou até aspectos mais simples, como nossos direitos e deveres como cidadão. Somos levados a maldizer os marginalizados e acreditar em conceitos alheios e sem fundamento. Temos o costume de dizer que, em tempos como a ditadura, existia algo nobre para se lutar contra; essa luta não é mais necessária. Os inimigos continuam por aí, mas tomaram silhueta diferente.

Contanto que tenhamos todos ótimos empregos, nada disso importa, não é?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s